• Avenida Pedro Almeida, 145 - Teresina - PI, 64052-280
  • (86) 3233-9506 | 3232-3534 | 3133-6060 | 8858-3872
  • comjornalismo@icsrita.org.br
Em Notícias

História do Teclado

Com diversas finalidades no mundo da música, o teclado tem conquistado reconhecimento diante a sociedade musical em geral. O Projeto Música Para Todos oferece o curso de Teclado desde a sua fundação e já formou musicalmente milhares de alunos. Sílvio Rosário, Silmara Santana e Fernando Santana são os instrutores do instrumento no Projeto. Juntos eles atendem mais de 180 alunos divididos em 45 turmas nos turnos manhã, tarde e noite.
O teclado é um dos instrumentos mais utilizados atualmente, por causa da sua grande flexibilidade e diversas finalidades no mundo da música. Com um simples teclado pode-se dispensar o acompanhamento básico de outros componentes de um grupo musical (baterista, guitarrista, contrabaixista, dentre outros).

A História das Teclas
Entre os mais antigos instrumentos de teclas, os irmãos mais velhos dos Teclados Musicais, estão o órgão, o clavicórdio e o cravo. Desses, o órgão é, sem dúvida o mais antigo, aparecendo no século III a.C, chamado de hydraulis. Desde que foi inventado até o século XIV, o órgão permaneceu como o único instrumento de teclas. Porém, algumas vezes, o órgão não possuía teclas, mas botões e alavancas que eram operados com a mão. Quase todo o teclado até o século XV tinha sete notas naturais (sem sustenidos ou bemóis) em cada oitava.
O clavicórdio e o cravo apareceram no século XIV, sendo o clavicórdio provavelmente o mais antigo. Durante o seu desenvolvimento, uma tecla Si bemol foi acrescentada para remediar o trítono entre o fá e o si, e outros semitons foram acrescentados. O clavicórdio e o cravo foram muito utilizados até que a adoção generalizada do piano a partir do século XVIII, após o quê, sua popularidade decresceu.
Enfim chegamos no irmão do meio, o Piano revolucionou os instrumentos de teclas, porque o pianista poderia variar o volume (ou dinâmica) variando o vigor com que cada tecla é pressionada. O nome completo do piano é “gravicèmbalo con piano e forte” significando “cravo com suave e forte”, mas pode ser encurtado para “piano-forte”, que significa suave-forte em italiano.

Os instrumentos de tecla sofreram desenvolvimento no século XX. Mas foi no início deste século, mais precisamente em 1928 que foi inventado talvez o primeiro Teclado Musical Eletrônico, o Ondas Martenot, ou ondium Martenot, considerado como o primeiro Instrumento de teclas eletrônico que pôde ser chamado de Teclado.
O Ondium Martenot produzia um som ondulante com válvulas termiônicas de frequência oscilatória. O Ondas Martenot foi usado por vários compositores, em especial Olivier Messiaen, que o usou para a sua obra “Fête des Belles Eaux”, escrita para a Feira Mundial Internacional de 1937 em Paris.
Apesar disso, os Órgãos Eletrônicos foram os primeiros instrumentos totalmente eletrônicos da história, desenvolvidos no final do século XIX. Eles usavam um oscilador e divisores de frequência junto com uma rede de filtros para produzir formas de ondas.
Desde então, muito esforço foi sendo despendido na busca de um instrumento que soasse como o piano, mas sem o seu peso e tamanho. O piano elétrico e o piano eletrônico foram os esforços iniciais que não foram bem sucedidos na época.
Porém, nos anos 60 houve um significativo desenvolvimento dos teclados sintetizadores, que, aliás, continua até hoje, provavelmente os primeiros Teclados Musicais que reproduziram satisfatoriamente o timbre de um Piano e sons de outros instrumentos. Um dos primeiros sintetizadores mais notáveis foi o gigante Moog que utilizava um circuito analógico. Com o tempo, os sintetizadores digitais se tornaram comuns.


Teclados com gravador de fita foram inventados nos anos 1940 e ganharam popularidade em fins dos anos 1960 e nos anos 1970. O exemplo mais conhecido é do Mellotron. Estes instrumentos se tornaram obsoletos com a invenção dos samplers capazes de repetir samples em qualquer altura.
Hoje, os teclados musicais atuais têm facilidades como telas de cristal líquido (LCD), vozes, estilos altamente realísticos, gravações MID, além de tantos outros recursos .

Referências Bibliográficas
Mundo Max. A História das Teclas. Disponível em <http://www.mundomax.com.br/blog/tag/historia-do-teclado-musical/>. Acesso em 10.01.2013